PIB Guarapari 58 Anos 

Na data de 12 de dezembro de 1959, a congregação foi emancipada em Igreja, estando até hoje, após 58 anos, pregando o Evangelho transformador do nosso Senhor Jesus Cristo. Essa data marcante nos leva a olhar para o passado com gratidão e para o futuro com viva e abundante esperança.
Pastor: Raphael Abdala

 

O Deus que Jesus chamou de Pai

Ligado .

Não faz muito tempo ouvi uma expressão que proporcionou grande alegria para minha alma, certo homem disse assim: “O meu Deus é o Deus que Jesus chamou de Pai”. Que doce verdade, que confortante certeza. Somente nos registros do Evangelho de João, Cristo referiu-se ao Criador como Pai cerca de cento e cinquenta e seis vezes.

O nascimento de Jesus nos coloca em um contexto de graça e paternidade celeste jamais visto. O Deus Altíssimo é Pai, Pai do Verbo, Pai Nosso. Que pai não deseja a mais sublime vida para seus filhos? Tenho certeza que muitos gostariam de dar até mais do que podem, mas não quero escrever hoje sobre eles, quero falar do Pai das Luzes, o ilimitado.

 

Graça e paternidade: são essas as características do Eterno que mais me encantam, nenhum outro “deus” de qualquer mecanismo religioso é apresentado com esses divinos elementos. Refiro-me a graça que nos nivela pela Cruz do Calvário, que retira de nós o senso de mérito, que nos faz olhar o outro como igual, como irmão.

Graça que nos dá acesso, graça que rasgou o Véu, graça que apesar de nós é sempre graça. Refiro-me ainda a paternidade celeste que nos toma pela mão e nos ajuda a prosseguir, que nos aceita como somos e que com amor molda nosso caráter e nos transforma, regenera.

Diante de tantos favores imerecidos, devemos nos esforçar para transmitir aos outros a imagem desse Deus-Pai. Todavia, a triste verdade é que tentamos moldar o Criador de acordo com nossos momentos – se alguém erra comigo, quero um Deus rigoroso que irá me fazer justiça, mas se eu erro com alguém, quero um Deus bondoso e misericordioso que possa me perdoar. E assim pretendemos delimitar o Eterno de acordo com nossas expectativas.

O grande problema é que muitas vezes começamos a passar essa imagem do Eterno para os que estão a nossa volta - um “deus” flexível aos nossos interesses, um “deus” incapaz de perdoar os que erram comigo, um “deus” preso aos limites do domingo (ou do sábado) e das doutrinas. É ciente disso que o Autor da Fé nos convida a apresentar o verdadeiro Deus para o mundo. Que Deus é esse? O Deus que Jesus chamou de Pai.


Raphael Abdalla
Presidente dos Diáconos
Ministro Auxiliar

 

Deixe seus comentários

0

Mensagens Pastorais

De Nazaré?

Filipe foi um dos privilegiados a ouvir o “siga-me” de Jesus. Cristo havia decido partir para a Galiléia quando o encontrou e por meio de seis singelas letras convidou-o para uma caminhada. Entusiasmado, Filipe ao encontrar certo homem na estrada, de nome Natanael, afirmou: "Achamos aquele sobre quem Moisés escreveu na Lei, e a respeito de quem os profetas também escreveram: Jesus de Nazaré, filho de José". (Jo.1:45)

Imagino que com o comentário de Natanael, o entusiasmo de Filipe tenha se transformando em espanto. Eis que o parecer foi: “Pode, porventura, vir alguma coisa boa de Nazaré?” Filipe não deixou por menos. Deu uma das mais brilhantes respostas que já vi na Bíblia Sagrada. Somente dois verbos: “Vem e vê!” As melhores respostas são sempre assim: curtas.

Leia mais...

58 Anos de Gratidão

A história vitoriosa da Primeira Igreja Batista em Guarapari começou como fruto do trabalho de um colportor, o Sr. Plínio de Andrade, em 1944. As primeiras reuniões foram embaixo de uma árvore, no bairro de Muquiçaba. A PIB de Vitória, sob a direção do Pastor Walter Kaschel, assumiu o ponto de pregação, transformando-o em congregação em 1946. Depois de então, a Congregação em Guarapari se reunia na Rua Pedro Caetano.

Na data de 12 de dezembro de 1959, a congregação foi emancipada em Igreja, estando até hoje, após 58 anos, pregando o Evangelho transformador do nosso Senhor Jesus Cristo. Essa data marcante nos leva a olhar para o passado com gratidão e para o futuro com viva e abundante esperança.

Leia mais...

O Deus que Jesus chamou de Pai

Não faz muito tempo ouvi uma expressão que proporcionou grande alegria para minha alma, certo homem disse assim: “O meu Deus é o Deus que Jesus chamou de Pai”. Que doce verdade, que confortante certeza. Somente nos registros do Evangelho de João, Cristo referiu-se ao Criador como Pai cerca de cento e cinquenta e seis vezes.

O nascimento de Jesus nos coloca em um contexto de graça e paternidade celeste jamais visto. O Deus Altíssimo é Pai, Pai do Verbo, Pai Nosso. Que pai não deseja a mais sublime vida para seus filhos? Tenho certeza que muitos gostariam de dar até mais do que podem, mas não quero escrever hoje sobre eles, quero falar do Pai das Luzes, o ilimitado.

Leia mais...

Como Deus te vê

Existe um modo como a sociedade nos enxerga: não pelo que somos, mas pelo que temos. A ótica humana costuma valorizar as pessoas pelo que elas possuem. Entretanto, o Senhor nos enxerga com misericórdia e com graça. Seu maravilhoso olhar transforma nosso ser, nosso viver. 

Quando o profeta Samuel recebe a incumbência de encontrar um Rei para Israel, ele vai até a casa de Jessé e encontra vários filhos fortes, de boa estatura. Mas, Deus escolhe Davi, sem formação, sem força excepcional. Esse registro do livro primeiro livro de Samuel, capítulo 16, nos confirma que os olhos do Eterno são especiais.

Leia mais...

Cadastrar email

Digite o seu nome e email abaixo para receber nossos informativos.